Domesticação humana

Porakaa

Comportamento e saúde animal

Treinador, domador, adestrador, educador de animais… pode ser uma chance profissional para quem gosta dos bichos e quer ser parte de um mercado que cresce a cada ano, e o que muita gente não imagina é que esse trabalho talvez seja uma das profissões mais antigas da humanidade. Essa nossa relação com outras espécies de animais e vegetais foi fundamental para o desenvolvimento das civilizações e do mundo como o conhecemos hoje.

Não existe um consenso sobre há quanto tempo conseguimos interagir com cada espécie animal que foi domesticada, mas a certeza que temos é que o desenvolvimento da espécie humana se alavancou depois da domesticação dos animais e da maior convivência com eles. Conseguir cuidar, treinar, reproduzir e selecionar características que nos interessam influenciou nesse processo desde os campos de batalha ou de grandes construções, até dentro de nossos lares na produção de alimento, controle de pragas e proteção.

Antes disso nós, homo sapiens, éramos uma espécie nômade ou seminômade, que migrava em busca de recursos (abrigo e alimentos), caçando e coletando em diferentes lugares conforme a necessidade. Depois que desenvolvemos técnicas de agricultura deixamos de nos deslocar para cultivar a terra, estocar alimentos e vender ou trocar os excedentes. 

Com essa abundância de recursos passamos também a viver em grupos humanos cada vez maiores, em vilas e pequenas cidades. Esse ambiente criado pelos humanos despertou o interesse de alguns animais que começaram a procurar oportunidade nesse “novo” ecossistema, como os cães que se alimentam de restos e dejetos, e os gatos que encontram alimentos nos silos de grãos estocados, como aves e roedores. Esses animais acabaram virando “domésticos”.

O que define e quais são os animais domésticos? A legislação varia de lugar pra lugar, aqui no Brasil pode ser definido por:

“todos aqueles animais que através de processos tradicionais e sistematizados de manejo e/ou melhoramento zootécnico tornaram-se domésticas, apresentando características biológicas e comportamentais em estreita dependência do homem…” (Fonte: Portaria IBAMA Nº 93/1998)

A lista dos animais que por aqui são chamados de domésticos é bem curiosa e inclui animais de diferentes lugares do planeta, como o periquito australiano e o ganso do nilo. Além de serem animais que conseguimos de alguma maneira controlar, a regra geral para estar nessa lista parece ser a de despertar algum interesse para os humanos, como alimento, força de trabalho, afeto, ou ser um animal que co-habita ambientes humanos sem que tenhamos muita opção a respeito disso. Ou você acha que seria possível viver em cidades longe de minhocas, abelhas, pombos, ratos, até mesmo de camelos que são usados como meio de transporte em alguns lugares do norte da África?

Para fechar essa viagem e reflexão sobre a domesticação das espécies, se a lei brasileira define domesticação como “apresentando características biológicas e comportamentais em estreita dependência do homem”. Se trocarmos a palavra “homem” por “planta/trigo/café”, vemos a mesma característica nos humanos, que apresentam “características biológicas e comportamentais em estreita dependência de plantas”. Vamos olhar o modo como vivemos hoje em dia:

  • Cada vez mais sedentários (antes nômades)
  • Espalhamos espécies de plantas e animais pelo planeta todo – essas espécies tem muito mais indivíduos graças à ação do homo sapiens
  • Diferentes povos comem os mesmos alimentos
  • Sociedades inteiras viciadas em café, óleos e açúcar (cereais, batata)

Será que se olharmos essa mesma história sob outro ponto de vista, menos antropocêntrico, não podemos afirmar que ao invés do “homem” ter controlado outras espécies, fomos nós que fomos domesticados fisiologicamente por algumas plantas, que hoje não vivemos sem? 

Pensar dessa forma pode parecer loucura, mas é sempre bom resgatar a ideia de que somos só 1 das milhões de espécies que existem, e que isso é o mesmo que ser só uma engrenagem em um complexo sistema que chamamos de Natureza.

Leia Também

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Abrir chat
Precisa de ajuda?
Powered by